Principal

"Vozes Sem Rostos"

Houve um tempo em que era difícil assistir a um filme dublado no Brasil, pois esta tecnologia ainda andava a passos lentos por aqui, e claro, ainda não existia a TV, o vídeo, a TV por assinatura e muito menos o DVD. O cinema era a única opção para se ver os astros da época, restringindo muito seu público. 

Depois da chegada da TV aos lares tupiniquins, o aparelho mágico passou a reinar em absoluto, sendo que a dublagem era a única maneira de se entender bem os filmes, séries e desenhos, que na sua grande maioria eram americanos. Inicialmente, as legendas foram usadas para tradução, mas a má qualidade da imagem das tevês dificultava a leitura. Sem contar que muitas pessoas não sabiam ler.

A dublagem no Brasil começou com desenhos animados estrangeiros que começaram a ser exibidos no cinema. Isso permitiu ao público infantil entender e se deliciar com as grandes obras do cinema de animação. No Brasil, em 1938, nos estúdios da CineLab de São Cristóvão/RJ, o filme "Branca de Neve e os Sete Anões" marcou o início das atividades da dublagem brasileira, seguido por outras criações dos estúdios de Walt Disney, como "Pinocchio", "Dumbo" e "Bambi". Carlos de la Riva, atual dono da Delart Estúdios Cinematográficos, foi o primeiro técnico de áudio a trabalhar com dublagem no Brasil.

Com o sucesso da televisão, a necessidade de dublagem para a tela pequena se tornou imperativa e, aos poucos, os brasileiros se acostumaram à idéia - quase inconcebível na época - de assistir aos grandes astros de Hollywood falando português.

Em São Paulo, o estúdio Gravasom foi fundado em 1958/59, numa associação da empresa americana Screen Gems (da Columbia Pictures) com Hélio Alvarez e Mário Audrá Jr., que era sócio da empresa Cinematográfica Maristela. "Ford na TV", programa que apresentava pequenos dramas de 30 minutos, foi a primeira série dublada a se apresentar na TV Brasileira. Logo em seguida, a Gravasom dublou as séries Lanceiros de Bengala, Rin-Tin-Tin e Papai Sabe Tudo.

Os primeiros elencos de dublagem foram integrados por rádio-atores. Eram vozes consagradas na época pelo sucesso das rádio-novelas. E assim começou a ser escrita a história da dublagem brasileira, que apesar de todas as dificuldades tecnólogicas, estruturais e do preconceito da crítica brasileira, acabou se firmando ao longo dos anos, transformando-se em uma atividade importante, respeitada e com excelente qualificação internacional.

Muitos filmes nacionais também eram dublados até os anos 70. Como capturar o áudio de cenas externas era muito caro, optou-se pelo próprio ator dublar sua voz (com algumas excessões).

Podem me chamar de saudosista, mas acho simplesmente maravilhosa a dublagem feita nas décadas de 60 e 70, principalmente pelo talento dos responsáveis e pela completa sintonia que existia entre dublador e personagem. Ainda ecoa na mente deste cinéfilo - e com certeza na de muitos outros saudosistas - as vozes das aberturas de alguns programas que ainda hoje trazem boas lembranças de um tempo que não volta mais.

Vamos Recordar?

"Versão brasileira... AIC - São Paulo" (sigla de Arte Industrial Cinematográfica). Além dele, haviam a BKS, Telecine, VTI, TV Cinesom, Álamo, Cinevídeo, Peri Filmes, Cine Castro, Ibrasom e Herbert Hichers. Este último, sem dúvida, o mais famoso de todos os estúdios, fundado em 1950. 

A qualidade da nossa dublagem, sem dúvida, é percebida quando assistimos principalmente aos cultuados seriados e desenhos do tempo em que todos os dubladores gravavam reunidos em um único estúdio - como nas antigas rádio-novelas, onde todos os atores trabalhavam juntos. Hoje isso não ocorre mais, pois utiliza-se o loop. Neste esquema de trabalho, cada dublador grava todas as suas falas individualmente. A independência é tamanha que muitos dubladores nem chegam a se encontrar no estúdio.

Antes que me atirem a primeira pedra, também falarei da dublagem dos anos 80 e 90, tão boa quanto as do passado mais distante, mais sem o aroma (ou som) de nostalgia, obviamente por serem mais recentes. Agora você irá conhecer alguns destes "conhecidos-desconhecidos", numa galeria que inclui algumas das vozes mais amadas do Brasil.

Doces Bárbaros!

Orlando Drummond: Também conhecido como "Seu Perú" nos humorísticos da Rede Globo, é uma lenda viva que continua na ativa, e tem em seu currículo de dublagem uma infinidade de personagens conhecidos do público. Alguns deles: Bionicão, Scooby-Doo, Popeye, Gargamel (Os Smurfs), Alf, Sargento Garcia (Zorro), Arnie Barkley (na série Os Caretas), o cachorro Jip (As Aventuras do Dr. Dolittle), o velhinho Tyrone (Charlie Gato & Os Super Velhacos), Vingador (Caverna do Dragão), Hong Kong Fú, Oliver Hardy (na versão animada de O Gordo e o Magro), o bruxo Gargamel (Os Smurfs), Gato Guerreiro (He-Man), a Coisa e Assombroso (Gasparzinho, o Fantasma Espacial). Em seus trabalhos mais recentes, fez Puro-Osso (As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy), Sr. Coelho (A Mansão Foster para Amigos Imaginários) e Múmia (Aqua Teen Hunger Force).

Lima Duarte hoje está aposentado da dublagem, mas no passado ele já fez bonito: Manda-Chuva, Wally Gator e Dum Dum (Tartaruga Touché).

José Santa Cruz: Como a grande maioria dos veteranos, é oriundo do rádio. Um dia um amigo lhe fez um desafio propondo que passasse a ser dublador, visto que ele já era ator, locutor e comediante. Em 1978, Santa Cruz começou a dublar o Xerife Lobo, J. J. Jameson (1ª temporada do desenho Homem Aranha de 1966), Dennis Franz (Nova York Contra o Crime) e Dino da Silva Sauro (Família Dinossauro). Atualmente trabalha no "Zorra Total" da Rede Globo.

Henrique Ogalla também veio do rádio e tevê. Começou a dublar em 1956 e tem no currículo Robin (na 3ª  temporada da série Batman), Bob (Caverna do Dragão), Tocha Humana (Quarteto Fantástico), Brandon (Barrados No Baile), Príncipe Turan (Os Cavaleiros da Arábia), o soldado Digley (Corrida Maluca), Zilly (Máquinas Voadoras) e Alan (Josie e as Gatinhas).

Carlos Alberto Vaccari: Dono de uma voz invejável, Vaccari é o responsável por aquela voz entonada, que dizia "Versão Brasileira, AIC, São Paulo". Também fez várias vozes, como a do Multi-Homem (Os Impossíveis), Hoss (Bonanza) e Mingo (Daniel Boone). Tive informação há dois anos atrás de que ele estava vivo, porém, doente.

Mário Monjardim, conhecido como Monja, foi ao dentista aos 17 anos, mas o consutório tinha mudado. O prédio passou a ser da Rádio Vitória e surpreendeu-se quando a secretária comentou que estava fazendo inscrições para jovens talentos. Anos depois, tornou-se dublador do Frangolino (desenho clássico da Turma do Pernalonga), Salsicha (Scooby-Doo), Zé Bolha (Zé Bolha & Juca Bala), Cláudio Perturbado (Os Tremendões), Hank (Devlin, o Motoqueiro), o venusiano Vinny (A Família Dó-Ré-Mi - Ano 2200), Capitão Caverna (As Panterinhas) e das vozes dos atores Jerry Lewis, Gene Wilder e Jack Lemmon. 
   

Orlando Drumond, Lima Duarte, José Santa Cruz, Henrique Ogalla e Mário Monjardim.

Borges de Barros: Trabalhou na Praça da Alegria, onde era um mendigo com pinta de rico. Foi o dublador fixo de Moe Howard (Os Três Patetas), Pingüim (na 1ª e 2ª temporadas da série Batman), Dr. Smith (Perdidos no Espaço), o gênio Baboo (na série animada Jeannie), Capitão Roland (E as Noivas Chegaram), Zeca Urubu e vários personagens secundários em Pica-Pau. Também dublou muitos atores e personagens coadjuvantes.

José Soares fez em sua longa carreira Shemp Howard (Os Três Patetas), Mr. Magoo, Sr. Peebles (Maguila, o Gorila), Peter Potamus, além de vários outros coadjuvantes.

Older Cazarré teve uma morte trágica em 1992, aos 57 anos, quando foi atingido por uma bala perdida ao dormir em seu apartamento no Rio de Janeiro. Atuou como ator em dezenas de filmes e novelas e sua maior qualidade como dublador era a de usar sua voz de forma caricata nos vários personagens que encarnou de forma genial: Dom Pixote, Gênio (Manda-Chuva), Professor Gizmo (Jambo e Ruivão), Homem-Garra (He-Man), Zé Colméia (série clássica), Plic (Plic, Ploc & Chuvisco), Senhor Peebles (2ª voz em Maguila o Gorila), Homem-Fluído (Os Impossíveis), Rato Minuto (Gato Corajoso e Rato Minuto) e Jaiminho, o carteiro (Chaves).

Olney Cazarré herdou do irmão Older todo os cacoetes das vozes de seus personagens. Era também um excelente dublador. Ficou conhecido do público ao atuar como um corintiano fanático na "Escolinha do Professor Raimundo" da Rede Globo. Também já faleceu. Dublou: Hadji Singh (Jonny Quest), Goober (Goober e Os Caçadores de Fantasmas), Coelho Ricochete, Checov (na dublagem original da série clássica de Jornada nas Estrelas), Jace (Space Ghost), Speed Buggy, Skyfire (Transformers), Ray (Dallas), Fofoquinha (2ª voz em Matraca-Trica & Fofoquinha), Soldado da Orda (She-Ra), James Stephens/Dick York (A Feiticeira), Pica-Pau e Micky Dolenz (Os Monkees).

Waldir Sant'anna: Interpretou o personagem Terêncio, capataz de Sinhozinho Malta na novela global "Roque Santeiro". Como dublador, encaixou como uma luva sua voz grave no personagem Homer (Os Simpsons), fez o Engenheiro Scotty (na redublagem da série clássica de Jornada nas Estrelas) e as vozes do ator Eddie Murphy. Também dirigiu muitos filmes.

Isaac Bardavid: Fez o papel de um capataz na novela "Escrava Isaura", onde o público passou a reconhece-lo. Trabalhou na versão antiga do "Sítio do Pica-Pau Amarelo", no papel de Seu Elias. Especializou-se em dublar vilões como Esqueleto (He-Man). Também dublou o chefão Foco 1 (Dinamite, o Bionicão), Adam Cartwright (Bonanza), Capitão Haddock (As Aventuras de Tintin) e o carro Kitt em Super-Máquina
    

Borges de Barros, Older Cazarré, Olney Cazarré, Waldir Sant'anna e Isaac Bardavid.

Celso Vasconcelos iniciou sua jornada em 1969. Depois tornou-se veterinário mas voltou a dublar anos depois. Não gostou dos novos métodos digitais de dublagem e encerrou sua carreira. Dublou John Boy em Os Waltons, Tenente Columbo (Columbo), Ernie Devlin (Devlin, o Motoqueiro), Dan Moroboshi (Ultra Seven), Líder Optimus (Transformers), Aquaman, Ed (Laboratório Submarino) e o Dr. Ben Cooper (Jana, a Rainha das Selvas).

Francisco Milani: Falecido em 2005, o ator global atuou em "Armação Ilimitada" (Chefe), "A Grande Familia" (Tio Juvenal) e por fim, Saraiva em "Zorra Total". Dublou Cabeludo (O Urso do Cabelo Duro) e Thomas Magnum (Magnum).

Carlos Marques: Sua voz com tom jovial e inconfundível foi emprestada a Garfield (na versão original para a TV), Gaguinho (Porky Pig), Homem-Aranha/Peter Parker (2ª voz no desenho Homem-Aranha), Homem-Aranha/Peter Parker/Nicholas Hammond (na série de TV do Homem-Aranha), Homem-Aranha/Peter Parker (na dublagem original do desenho Homem-Aranha e Seus Amigos), Super Mouse, Patolino (Merrie Melodies Show), Robin (Super-Amigos), D'Artagnan (D'Artagnan e os Três Mosqueteiros), Moleza (O Esquilo Sem Grilo), Estática (Os Brasinhas do Espaço), Sansão (O Jovem Sansão), Tor (2ª voz em Moby Dick), Alexander Cabot III (Josie e As Gatinhas), Risada (dublagem original de Carangos & Motocas), Scooby-Loo (2ª voz, em Scooby-Doo), Sargento Dudu (dublagem original de O Inspetor), Bombom (Bombom & Maumau), Pancho (Toro & Pancho), Besouro Japonês (toli-toli-tolá) (A Cobrinha Azul), Louie (O Poderoso Cachorrão), Harry Bicudo (Meu Amigo, o Tubarão), Tenente Starbuck/Dirk Benedict (Galactica – Astronave de Combate), Tatoo/Hervé Villechaize (nas duas dublagens de Ilha da Fantasia), Robin/Dick Greyson (As Novas Aventuras de Batman), Derek Wildstar (Patrulha Estelar) e o cavalo Molenga (O Xerife Hoot Kloot). Trabalhou no rádio-teatro e dublou também muitos filmes. Está na ativa até hoje.

Marcelo Gastaldi: Dublador que faleceu precocemente aos 50 anos, foi o responsável por toda a dublagem dos filmes, desenhos e séries que o SBT dublou em seus primeiros anos de vida. Gastaldi, dono do estúdio Maga, dublou Chaves, Chapolin Colorado, Minduim (dublagem original de Snoopy), Ralph (Super-Herói Americano), Carlos Ramirez (A Noviça Voadora) e Michael Nesmith (Os Monkees). Também foi ator e cantor do grupo "Os Iguais" da "Jovem Guarda".

Carlos Campanile: Dublou Tony Newman (O Túnel do Tempo), Sr. Scotty (na dublagem original da série clássica de Jornada nas Estrelas), Martin Landau (nas três últimas temporadas da série clássica Missão: Impossível, Glen Ford ( Glen Ford é a Lei), David Jenssen em O'Hara. Fez mais recentemente a voz do Super-Homem/Clark Kent (Superman, The Animated Series), Freeza no desenho Dragon Ball Z, Demon no desenho Samurai Warriors, Thor em Cavaleiros do Zodíaco. Já no ramo dos longla-metragens, entre tantos outros, Campanile dublou Steve Mc Queen na primeira versão dublada para a TV de "Papillon", Christofer Reeve em "Em Algum Lugar do Passado" e mais recentemente Al Pacino em "Insônia", Clint Eastwood em "Menina de Ouro" e Robert Redford em "Um Lugar Para Recomeçar". Era bancário quando começou a dublar, mas já havia trabalhado por sete anos na antiga Companhia Telefônica (CTB), lugar onde adquiriu grandes conhecimentos artísticos por ter feito parte do elenco do Teatro de Ensaio do Telefônica Clube. Também fez rádio-teatro que foi outra escola para a posterior profissão de dublador.

Neville George: Este dublador era representante comercial, quando foi descoberto nos estúdios de dublagem. Passou a falar por vários personagens famosos, como Dr. Doug Phillips (O Túnel do Tempo), James  West, Coronel Hogan (Guerra, Sombra e Água Fresca), Dr. McCoy (1ª voz da dublagem original da série clássica de Jornada nas Estrelas) e o narrador da Corrida Maluca. Morreu em 2002, quando ainda trabalhava como locutor oficial da Rede TV!.
   

Celso Vasconcelos, Francisco Milani, Carlos Marques, Marcelo Gastaldi e Neville George.

Amaury Costa: Dublou magistralmente o Dr. Benton Quest (Jonny Quest), Robô (3ª voz em Perdidos no Espaço), o tirano Vangore (Cavaleiros da Arábia), Ace McCloud (Os Centurions) e o Pinguim Dan (O Mundo de Beakman). Faleceu em meados dos anos 90.

Cleonir dos Santos: Famoso por dublar crianças e jovens, foi também ator de novelas. Já é falecido. Dublou Sinbad Jr., Johnny Storm/Tocha Humana (Os 4 Fantásticos), Huck Finn (As Aventuras de Huckleberry Finn), Stanley Chan (Charlie Chan), Scooby-Loo (Scooby-Doo), Speed Racer (na dublagem original), Chip Chase (Transformers), Dennis - o Pimentinha (série animada), o ratinho Tagarela (Elefantástico), Aquamoço (na primeira versão de Os Jovens Titãs), Mickey Mouse, Ben Grimm (em sua forma normal em A Coisa), Bat-Mirim (As Novas Aventuras de Batman), Pete (Godzilla), Pato Quack (Corrida Espacial do Zé Colméia), o jovem índio Gene Fox (Lassie) e a primeira voz do ator Ralph Macchio em "Karatê Kid".

André Filho: Outro grande dublador já falecido (14/03/97). Dublou Tim O'Hara/Bill Bixby (Meu Marciano Favorito); Corredor X (Speed Racer), o super-gêmeo Zan (Super-Amigos), diretor Skinner (1ª voz em Os Simpsons), o carangueijo Sebastião ("A Pequena Sereia"), Capitão Guapo (A Corrida Espacial do Zé Colméia), Cyborg/Lee Majors (O Homem de Seis Milhões de Dólares), Henry Chan (Charlie Chan), Larry (Clue Club), Baixinho (Ursuat), Jocas (Os Muzzarelas), narrador da série Lancelot Link, Jonathan Hart (Casal 20), o ator Burt Reynolds (nos filmes "Quem Não Corre Voa", "Agarra-me Se Puderes" e outros), Super-Homem/Christopher Reeve (nos filmes do Super-Homem), os personagens  Rambo, Marion Cobretti e Rocky (interpretados pelo ator Sylvester Stallone) e Roger Moore ("007 Viva e Deixe Morrer", "007 Contra o Homem Com a Pistola de Ouro" e "O Espião Que Me Amava"). 

Darcy Pedrosa: Fez muitos filmes dublando o ator Chuck Norris, o Coringa em "Batman - O Filme" (1989), o macaco chamado Macaco em "George, o Rei da Floresta", Senador Palpatine em "Guerra nas Estrelas - A Ameaça Fantasma", que foi seu último trabalho como dublador. Entre as séries e desenhos, dublou Chefe Apache (Super-Amigos), Jack Pallance (Acredite Se quiser), Optimus Prime (Transformers) e o gênio Shazzan (Shazzan). Também foi radialista e faleceu em 1999.

Sílvio Navas: Fez Esquilo Secreto (O Esquilo Sem Grilo), narrador (Dinamite, o Bionicão), Scooby-Dão (Scooby-Doo e Hó...Hó...Límpicos"), Gómez Addams (versão animada anos 90 da Família Addams), Papai Smurf (Os Smurfs), o vilão Darkseid (Super-Amigos), Deslock (Patrulha Estelar), Monstro Estelar (Silverhawks), Pitty (amigo de Mcgyver em Profissão Perigo), Carl Sagan (Cosmos) e Charles Ingals (Os Pioneiros). Dubla até hoje.

Pietro Mário: Ator e dublador, protagonizou o herói infantil Capitão Furacão na Rede Globo nos anos 60. Com um vozeirão cavernoso e profundo, está na ativa até hoje. Dublou Falcão 7 (Homem-Pássaro), Billy (Baretta), Capitão Caverna e John Bosley (1ª voz da dublagem original de As Panteras). Em seus trabalhos mais recentes, fez Rafiki ("O Rei Leão"), Sultão ("Aladdin") e o narrador (Yu Yu Hakusho).
   

Amaury Costa, Cleonir dos Santos, André Filho, Sílvio Navas e Pietro Mário.

Osimiro Campos: Emprestou sua voz a Dick Sargent (A Feiticeira), foi narrador do anime Saber Rider, Karas (Spectreman) e o Professor Girafales (2ª e atual voz em Chaves).

Márcio Seixas: Dono de uma voz grave e marcante, dublou o Homem-Pássaro, Sr. Spock (redublagem da série clássica de Jornada nas Estrelas), Walt Disney ("Disneylândia"), Batman/Bruce Wayne (Batman, The Animated Series), James Bond, Bill Cosby (na série), The Tick, Alfred ("Batman Beggins"), Sr. Incrível ("Os Incríveis"), Jim Rockford (Arquivo Confidencial), os atores Leslie Nielsen em vários de seus filmes de comédia e Qui-Gon Jinn ("Guerra nas Estrelas - A Ameaça Fantasma").

Orlando Prado: Dublou a Lula Lelé, Dan Tunner (Vega$), Bicudo (Bicudo, o Lobisomem), J.R. Ewing (Dallas), John Bosley (2ª voz na dublagem original de As Panteras), Mini Polegar (Mini Polegar & Yogui), Dragão Negro (no filme "Rambo - Programado Para Matar"), Sandor (Patrulha Estelar), Aquaman (Super-Amigos), Salsicha (2ª voz em Scooby-Doo), Fred Flintstone (Os Flintstones nos Anos Dourados) e Metralha Pipa (1ª voz em Duck Tales). Faleceu no início dos anos 90.

Garcia Neto: Dono de uma voz bastante empostada, foi dublador e diretor de dublagem. Em casa, haviam mais dois dubladores: sua esposa, Dolores Machado, e o filho, Garcia Júnior. Faleceu em 1997, aos 65 anos. Dentre seus inúmeros trabalhos, foi Jaga (Thundercats), Homem-Fera (He-Man), Max Ray em (Os Centurions), Sr. Miyagi (no desenho animado Karatê kid), Chefe Apache e Samurai (Super-Amigos), os atores Burt Lancaster, Charles Bronson e Gregory Peck, Stargazer (Silverhawks), Arnoldo (entregador de jornal em Os Flintstones). Também foi narrador e personagens secundários na série clássica do Pica-Pau.

Garcia Júnior: Filho do veterano Garcia Neto, dublou Príncipe Adam/He-Man, Fera e Gaston (A Bela e a Fera), Gênio (Os Smurfs), Richard Dean Anderson/MacGyver (Profissão: Perigo), Arnold Schwarzenegger (em diversos filmes), William Shatner/Capitão Kirk (dublagem atual da série clássica de Jornada nas Estrelas) e Chuck Wagner/Automan (Automan).

Waldyr Guedes: Dublou Larry Tate/David White (A Feiticeira), Olho-Vivo, Bóbi Filho (Bibo Pai & Bóbi Filho), Barney Rubble (2ª voz, em Os Flintstones), Hardy (Lippy & Hardy), Xuxú (Manda-Chuva) e Fofoquinha (2ª voz em Matraca-Trica & Fofoquinha). Faleceu em 1977.

- Eleu Salvador: Geralmente fazia aquelas vozes de cientista louco com sotaque francês nos desenhos do Pica-Pau. Dublou também o Sr. Sulu (dublagem original da série clássica de Jornada nas Estrelas), Henry Gloop (na série animada Jeannie) e o zelador Henry Órbita (no remake de 1984 de Os Jetsons). Mas talvez, seu trabalho mais marcante tenha sido na voz brasileira do ator Christopher Lloyd (Dr. Brown), nos filmes e no desenho da franquia "De Volta para o Futuro". Está aposentado.
   

Osimiro Campos, Márcio Seixas, Garcia Neto, Garcia Júnior e Eleu Salvador.

Roberto Barreiros: Fantástico dublador que abandonou a carreira, mas ainda segue na vida artística como cantor de música brasileira pelo interior do Brasil. Barreiros foi radialista e humorista, o que lhe rendeu o Troféu Roquete Pinto como revelação do humorismo brasileiro de 1964. Fez sucesso com o personagem "Arquimede Pitagórico" e com o quadro "Vou morrer de rir". Nesta mesma época, trabalhou na Gravasom como dublador exclusivo dos desenhos Hanna-Barbera no Brasil. Houve uma época em que Barreiros tinha que fazer pelo menos uma voz em cada novo desenho "HB" que iria estrear por aqui. E o melhor de tudo: suas vozes não se pareciam umas com as outras, o que mostra que foi um excelente dublador. Veja só o time de personagens que ele dublou: Sr. Twiddle (Wally Gator), Tartaruga Touché, Tinker (Speed Buggy), o baterista Wally (Butch Cassidy e Os Sundance Kids). Destaque para os desenhos Pepe Legal e Jambo e Ruivão, onde Barreiros fez mais que uma voz. Em Pepe Legal, ele dublou o próprio Pepe, o burrinho Babalú e o narrador! Em Jambo e Ruivão, também fez três participações: Jambo, Ruivão e o narrador. "Matador e Mata à dor", lembra-se? Levando em conta que naquela época não haviam os recursos tecnológicos de hoje, Barreiros tinha que dublar os três personagens em tempo real...

Domício Costa: Fez Dick Vigarista (Corrida Maluca), Prefeito (Meninas Super-Poderosas), Eustáquio (Coragem o Cão Covarde), Ito (na dublagem original de Ultraman), Narrador (O Regresso de Ultraman). Continua na ativa.

Ronaldo Batista: Vivo até hoje, Ronaldo estava entre os primeiros rádio-atores que foram convidados para dublar no Brasil. Entre seus trabalhos, fez o Tenente Rip Masters (Rin-Tin-Tin), Richard Basehart/Almirante Nelson (Viagem ao Fundo do Mar) e foi narrador das historinhas Disney, que eram lançadas em discos compactos coloridos. Fez também a narração de muitos comerciais da TV e rádio.

Não posso deixar de citar o inimitável Marthus Mathias, que teve o privilégio de ser a voz mais perfeita para um personagem que um dublador sonharia. Faleceu precocemente aos 51 anos em janeiro de 1995. Foi também ator de cinema e tevê. Sua voz ficou eterna ao dublar Fred Flintstone (Os Flinstones).

Para finalizar, citarei a perda irreparável e recente de Newton da Matta, falecido em março de 2006. A partir de 1960, passou a ser convidado por Herbert Richers e Vitor Berbara a dirigir e atuar como dublador. Dublou inicialmente Richard Chamberlain na série Dr. Kildare. Dentre os vários personagens da sua extensa galeria de vozes, a mais conhecida de todas foi a de Bruce Willis na série A Gata e o Rato. A partir dela, dublou todos os filmes com Willis (como "Duro de Matar", "Os 12 Macacos", "Armageddon" e mais recentemente "Sin City - A Cidade do Pecado") e vários outros longas-metragens nas vozes dos atores Dustin Hoffman, Paul Newman, Louis Jordan, Mickey Rourke, James Farentino e Peter O'toole. Dirigiu a dublagem de Thundercats e dublou o personagem principal Lion. No teatro, atuou como o primeiro Pedrinho do "Sítio do Picapau Amarelo". Com este currículo invejável ele já se tornou eterno...
   

Roberto Barreiros, Domício Costa, Ronaldo Batista, Marthus Mathias e Newton da Matta.

Doces Bárbaras!

O time de mulheres dubladoras, como não poderia ser diferente, é tão espetacular quanto o dos homens. De vozes de mulheres fatais a personagens infantis, elas também deram um toque todo especial para que nossa dublagem fosse reconhecida como uma das melhores do mundo. Isto graças ao profissionalismo e talento dos envolvidos.

Sumara Louise: Largou a carreira de economista e passou a ser umas das profissionais mais requisitadas do mercado de dublagem. Inicou como dubladora em 1973 na Herbert Richers. Em 1975, passou num teste e emprestou sua voz para Sabrina (As Panteras). Fez também Moça Flutuadora (Galaxy Trio), Sabrina (Capitão Caverna & As Panterinhas), Maxie (Gasparzinho, o Fantasma Espacial), Maddie Hayes (A Gata e o Rato) e as atrizes Kelly Le Brok, Mery Strrep, Cher, Glen Close e Angelica Houston. Sumara ainda dubla, é diretora de dublagem da empresa Wanmacher (RJ) e presidente da ANAD - Associação Nacional dos Artistas de Dublagem. Como atriz, chegou a participar da série "global" O Bem-Amado, interpretando Cremilda, mulher do vereador Lulu Gouveia.

Maria Inês: Fez Will Robinson (2ª voz em Perdidos no Espaço), Bam-Bam quando pequenino (Os Flintstones), o menino-cientista Bob Conroy (2ª voz em  Frankenstein Jr.), Dino Boy, Sgto. Whitaker (Papai Sabe Nada), Pimentinha (na série clássica O Pimentinha), a pequena Oreu (2ª voz em Maguila, o Gorila) e Israel Boone (1ª voz em Daniel Boone). Atualmente, ministra aulas de técnica vocal.

Carmen Sheila começou sua vida profissional por incentivo do pai, fazendo um teste na Rádio Nacional e anos mais tarde, estreou como dubladora. Uma das primeiras personagens foi a Marylin (Os Montros) e Laura (Os Pioneiros). Depois vieram, Meg Carson (Pássaros Feridos), Cheetara (ThunderCats), Dee Dee (O Laboratório de Dexter) e Felícia (Tiny Toons).

Miriam Fisher: Foi convidada a dublar quando tinha apenas 13 anos e acabou se encantando com a novidade. Já trabalhou em quase todos os estúdios e tem um currículo extenso: Piggy (Muppet Babies), Valerie (Ally McBeal), Charlene (Família Dinossauro), Lilica (Tiny Toons) e a Vaca (A Vaca e o Frango). 

Helena Samara: Outra veterana da dublagem, fez lá nos anos 60 a voz de Vilma Flintstone (Os Flintstones), Agnes Moorehead/Endora (2ª voz em A Feiticeira), Ten. Uhura (na dublagem original da série clássica de Jornada nas Estrelas), Maureen Robinson (Perdidos no Espaço) e Barbara Bain (na série clássica de Missão: Impossível). Nos anos 80 e em 2006, dublou a Dona Clotilde (Chaves).
 

Sumara Louise, Maria Inês, Carmen Sheila, Miriam Fisher e Helena Samara.

Juciara Diácovo: Dona de uma voz "aveludada", fez Jennifer Hart (Casal 20), Dana Sculy (Arquivo X), Penélope Charmosa (Corrida Maluca e na dublagem original de Os Apuros de Penélope), Daphne (Scooby-Doo), Dana Scully (Arquivo X), Sara Pezzini (Witchblade - A Série) e Gasparzinho.

Ilka Soares: É dona da voz entonada da Mulher Maravilha (Super-Amigos). Foi atriz nos anos 60.

Selma Lopes: Dublou Marge (Os Simpsons), Madame Patilda (DuckTales), Vovó Fa ("Mulan"), Slappy (Animaniacs), Tia May (Homem-Aranha). Atua no "Sítio do Picapau Amarelo", como a Vovó Caipora.

Marisa Leal: Seu trabalho mais marcante foi como Baby (Família Dinossauro).

E, por fim, Sylvia Salusti: Começou a carreira em 1992, fez teatro e depois começou a estagiar na Herbert Richers. Fez Jean Grey (no desenho clássico e na trilogia de X-Men), Blossom, Gabriele (Xena, a Princesa Guerreira), Buffy (Buffy, a Caça Vampiros), o famoso pássaro Piu Piu e muitos outros.

Jovens e Experientes!

Como não me atiraram nenhuma pedra ainda, há que se reconhecer o trabalho desenvolvido por este elenco de jovens dubladores, que despontaram para o mercado principalmente nos anos 80/90. Mas a turma da velha guarda tem reclamado, dizendo que tem muita gente que não é da área tomando o lugar de profissionais, o que pode ocasionar a falta de trabalho para muitos. Confira agora quem são estes novos talentos.

Nizo Neto: Talvez você não saiba, mas este filho de Chico Anísio tornou-se dublador de respeito. Dublou Mickey Mouse, Presto (Caverna do Dragão) e Willy Cat (Thundercats).

Selton Mello: Outro artista global que tem um currículo respeitado entre novelas e também faz dublagens. Fez Charlie Brown (redublagem de Snoopy) e Ralph Machio (no filme Karate Kid). Também já dublou as vozes de Tom Hanks e River Phoenix.

Guilherme Briggs: Quando criança, brincava com o pai gravando histórias de terror. Aos 20, fazia teatro amador e resolveu fazer um teste. Para sua surpresa, foi aprovado para dublar um Klingon - (Jornada nas Estrelas), Buzz LihtYear ("Toy Story"), Samurai Jack, Freakazoid e as vozes de Jim Carrey e Brendan Fraser.

Ricardo Juarez: Na adolescência tinha voz fina, o que o deixava insatisfeito. Então resolveu fazer um curso para educá-la. A partir daí, virou locutor, provou ter talento ao fazer um teste e foi aprovado. Seus primeiros trabalhos: Johnny Bravo, Tigra (ThunderCats) e John Dogget (Arquivo X).
 

Ilka Soares, Selma Lopes, Marisa Leal, Guilherme Briggs e Ricardo Juarez.

The End... O Fim

Se você se interessou por esta profissão, saiba que para se tornar um dublador é preciso ter registro no DRT (Delegacia Regional do Trabalho) como ator, o que o habilita a literalmente botar a boca no trombone.

Muitos reclamam – com razão – quando a voz de determinado personagem é trocada, deixando-nos órfãos a ponto de não assistirmos mais a determinado programa. Porém, às vezes se faz necessária esta mudança. Por exemplo: quando ocorre a morte de um dublador, perda ou deterioração das trilhas masters (originais). Bem, aí não tem remédio. Por melhor que seja o dublador escalado para substituir a voz original brasileira, se ela não ganhar a empatia do telespectador, haverá guerra. Os fã-clubes tem o poder de moverem montanhas quando exigem respeito e qualidade da dublagem de seus programas favoritos.

Hoje ainda podemos assistir a alguns filmes, seriados e desenhos com as dublagens que nos encantaram no passado. Mas já imaginou o Agente 86, A Feiticeira, Jeannie é um Gênio, Os Flintstones, Scooby-Doo etc, falando no original em inglês? Sem dúvida há quem prefira o som original com legendas, mas são vários os motivos para que ocorra a dublagem no Brasil, como o analfabetismo, pessoas idosas, as crianças e os portadores de deficiência visual. Para agradar a todos, nada como ter disponível a dublagem, o som original e as legendas, algo possível nos DVDs.

Fonte: www.retrotv.com.br

<< Voltar

Principal | Novelas e Minisséries | Seriados e Programas | Desenhos Animados | Filmes | Sobre o Site | Fale Conosco

Adicione Cultura Visual aos Favoritos | Imprimir esta Página

Copyright ©  2007 - Cultura Visual - O Site de Entreterimento - Todos  os  Direitos  Reservados.

Desenvolvido por: S.B.A - Soluções